quarta-feira, 30 de maio de 2012

A SABOTAGEM DE CELSO BARROS

CONSELHEIRO "PC" CUMPRINDO SEU DEVER ESTATUTÁRIO - 13

DA SARJETA VIEMOS, PARA SARJETA VOLTAREMOS


Você toparia diminuir o valor da camisa do Fluminense para colocar outro patrocinador? Ou melhor, você aceitaria a transformação da camisa do seu amado Tricolor em um macacão de Fórmula 1 para ter uma rendinha a mais?

Felizmente, há exatos 13 anos não temos essa preocupação, pois nos damos ao luxo de ter mais que um mega patrocínio. Temos um grande parceiro que despeja 40 milhões de reais/ano em Álvaro Chaves 41. E, pasmem os senhores, o início do investimento não foi no FLUMINENSE dos áureos tempos, mas, sim, num clube falido disputando a 3ª divisão do Campeonato Brasileiro, comandado por incompetentes e quando éramos motivo de chacota em todo país.

Enquanto isso, em matéria publicada no JORNAL 'O LANCE' do último domingo 27/05, saiu que os "três clubes mais populares do Brasil", Flamengo, Corinthians e São Paulo, começam o Brasileirão sem patrocínio master. As quantias pedidas pela trinca são, respectivamente, 30, 27 e 25 milhões, ou seja, TODOS os valores abaixo do que recebemos. Mas como brasileiro tem memória curta, existem aqueles que ainda conseguem questionar a importância da UNIMED. A cada momento ruim, ex-dirigentes tricolores se defendiam pondo a culpa no Dr. Celso Barros por pagar diretamente aos jogadores e não ao clube (DEUS nos livre). Agora vem o "NOVO FLUMINENSE" e o que faz? Repete a mesma cantilena atacando seu bem feitor, demonstrando uma ingratidão sem precedentes para justificar e mascarar os desmandos, a bagunça e a incapacidade do presidente de dirigir o clube, bastando, para isso, observar que o mandatário terceirizou a presidência do FLUMINENSE entregando o comando na mão do vascaíno que, como já escrevi antes, é quem manda e desmanda, bate, prende e arrebenta nas Laranjeiras.

Vamos aos fatos: na saída do técnico Muricy os "gênios da lâmpada" do "NOVO FLUMINENSE" foram para a internet insinuar que aquele que paga a conta na verdade seria um sabotador. O treinador acima citado recebia parte do Fluminense R$ 150.000,00 e ainda tinha 20 meses de contrato para cumprir. Peter teria sabotado o Fluminense ao abrir mão de R$ 3.000.000,00? Em minha opinião, é uma idiotice siderúrgica (enorme) alguém acreditar que o apaixonado presidente da patrocinadora não deseje ver o FLUMINENSE no topo e ganhando tudo.

Não sejam tão covardes e levianos. Assumam suas incompetências e limitações. Tenho a convicção de que a verdadeira sabotagem ao meu amado TRICOLOR vem sendo praticada pelos responsáveis - ou irresponsáveis - nas contratações (e beneficiários desta orgia) com salários que não são pagos nem mesmo pela Petrobrás e Banco do Brasil (muito menos na Dannemann). Combalindo ainda mais o já falido (palavras de Peter) clube das Laranjeiras, essa gente invadiu o FLUMINENSE para viver dele.

Onde está a auditoria que foi prometida para ser iniciada 60 dias após a posse?

Há o receio que o relatório final de uma auditoria externa e independente recomende a canonização de Horcades e a punição de gente da atual base aliada? Com apenas a receita de televisão e bilheteria o "falido" clube paga salários de invejar as superavitárias estatais. Fico imaginando o que ocorreria se Celso Barros entregasse R$ 40.000.000,00 na mão dessa gente (Jesus, Maria e José).

Tem gente com curso maternal incompleto, escrevendo gato com "j" (deve ter sido reprovado na prova de massinha), ganhando algo em torno de R$ 20.000,00 (pobre FLUMINENSE).

Para encerrar, suplico a Papai do Céu que dê muita paciência ao presidente da UNIMED para que ele suporte todas essas insinuações e acusações (sem provas). Rogo à Deus que Celso Barros  não chute o balde e largue tudo pelo caminho, pois neste caso, afirmo sem medo de errar: DA SARJETA ELE NOS TIROU, PARA SARJETA VOLTAREMOS.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL - ARTIGO 5
INCISO IX - "É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação independentemente de censura e licença".

PAULO CESAR FERREIRA SOARES

segunda-feira, 28 de maio de 2012

FSB - F de faca, S de sapo e B de bola

A “CPI do Cachoeira” está realmente “botando pra ferver”. Estão investigando tudo e todos na caça aos “CORRUPTOS”, que infestam a república brasileira. Investigam políticos, empreiteiras e etc. Até governadores a “CPI do Cachoeira” já pensa em convocar.
As investigações avançam para saber quem tem “CONEXÃO” com o “BICHEIRO CARLINHOS CACHOEIRA”. Já existe até Senador que será ouvido pelo Conselho de Ética do Senado. A Justiça de Goiás deverá ouvir os réus do caso, inclusive Cachoeira.
E o Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” reproduz para os seus leitores uma interessante matéria publicada nesta segunda-feira, dia 28/05, no “EX-BLOG DO CESAR MAIA”. A matéria é intitulada: “CPI DO CACHOEIRA: ENVOLVIDA EMPRESA DE COMUNICAÇÃO DO GOVERNO DO ESTADO RIO E DA PREFEITURA DO RIO!” Veja a matéria na íntegra:

1. DADÁ, braço direito de Cachoeira, entrega a FSB, que assumiu a assessoria de comunicação do governo do estado e da prefeitura do Rio. A assessoria de imprensa da polícia civil do Rio também é contratada da FSB. De igual forma a da Secretaria de Segurança Pública-RJ. Com isso, é a segunda maior empresa de comunicação do Rio.
2. Transcrição do grampo. No final link com o diálogo que envolve a FSB.
3. Dadá – É, parece que tem outras. Parece que até na área de comunicação tem alguma coisa.  /  Silva – Ah tá. E aquela empresa que faz a publicidade de lá?  /  Dadá – Publicidade eu não sei, mas tem uma tal de FSB.  /  Silva – FST?  /  Dadá – F de faca, S de sapo e B de bola.  /  Silva – FSB?  /  Dadá – É, F de faca, S de sapo e B de bola.  /  Silva – Ah, tá... /  Dadá – É uma conhecida na área aí, ela ta abocanhando tudo, ela bate escanteio e cabeceia ao mesmo tempo. Ela ataca, ela defende quem ataca, ataca quem defende, joga aqui, joga ali, valoriza os passes dos cara vai lá e defende depois... /  Silva – Entendi, entendi... /  Dadá – Essa parece, me falaram que ela taria também no bolo.  /  Silva – Na jogada né?  /  Dadá – É...
5. Agora a CPI do Cachoeira deveria abrir os sigilos e outras gravações que envolvem a FSB e investigar até onde vão seus vínculos.



Diante desta matéria do “EX-BLOG DO CESAR MAIA” o estarrecimento é total e absoluto.
A empresa FSB é a contratada desde o início de 2011 para trabalhar a “gestão de imagem” do Fluminense Football Club.

Ficam aqui algumas perguntas, apenas por curiosidade:
QUEM CONTRATOU A “FSB” PARA TRABALHAR A “GESTÃO DE IMAGEM” DO FLUMINENSE???
FOI O “PRESIDENTE DE FATO” DO FLUMINENSE, SRº JACKSON VASCONCELLOS???
OU FOI O “PRESIDENTE DE DIREITO” DO FLUMINENSE, O SR° PETER SIEMSEN???
QUEM SERÃO OS PRÓXIMOS CONVOCADOS PARA DEPOR NA “CPI DO CACHOEIRA”???

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O Fluminense está destruindo aos poucos

Recebi uma mensagem emocionada de um associado do Fluminense e resolvi compartilhar com os leitores do Blog "CIDADÃO FLUMINENSE". A mensagem emocionada tem um tom de desabafo. Mas nos remete claramente ao tipo de coisas que vem ocorrendo no "NOVO FLUMINENSE". Vejamos na íntegra a mensagem do associado do Fluminense Luiz Antonio:



Prezados tenistas,

No último fim de semana senti saudade do Gessy. Liguei prá ele. Estava magoado com o Clube. Já fazia mais de um ano que o FFC não pagava o que ele tinha direito, depois de mais de 30 anos de serviços prestados. A promessa agora é que iriam pagar no mês de maio. Mas isso ele até relevava, o que doía mais no seu coração era o descaso, a falta de respeito. Ele estivera no clube e foi barrado na portaria, explicou do que se tratava. Estava ali para reivindicar o que lhe deviam, o que tinha direito. De nada adiantou. Estava barrado no baile. Não podia visitar o clube, o departamento de tênis que ele ajudou a construir de glórias e títulos. Me lembrou a música: “Tá vendo aquele prédio que ajudei a construir moço”.

Ele me disse então, que lá (no FFC) não voltava. Informava-me também que passara mal no sábado e que tinha ficado o dia todo no hospital. Às vezes tomava o remédio receitado para pressão, às vezes esquecia e ás vezes não tinha grana para comprar. Se é verdade não importa. Importa é que era o Gessy. Mandamos emails, nos indignamos com os políticos e os corruptos, brigamos por que a bola bateu na linha e não marcaram (meu caso), só não lembramos de quem nos ajudava sempre no nosso dia a dia com o seu sorriso e sua boa vontade (olha o Gessy aí gente !!!).

Hoje fiquei sabendo que ele teve um AVC. Morte anunciada. A casa caiu. Estão passando uma lista. Sei que muitos vão ajudar.

O que fica é que não puxaram o gatilho. Mas estão matando aos poucos o Gessy. Tô calejado. Rei morto, Rei posto. Mas o meu voto, esses pusilânimes não levam mais.


 Luiz Antonio


A lei do retorno é inexorável

A mensagem do associado Luiz Antonio, provocou a indignação de muitos sócios do Fluminense. E em conseqüência disto, o conselheiro Paulo Cesar Studart também manifestou sua posição sobre o estado de coisas que vem ocorrendo na gestão do “NOVO FLUMINENSE”. Aspectos e valores humanitários, que sempre foram uma marca do Fluminense, parece já fazem parte do passado. Veja a mensagem do conselheiro Paulo Cesar Studart na íntegra:

Pois é, amigos:
O que fizeram com o Gessy que só não é santo porque não tem asas, é o mesmo que fizeram com o Edmilson, o funcionário mais antigo do clube e iam fazer com o Zezinho, querido funcionário da sauna. Que mal fizeram eles a não ser dar dedicação e amor a esse clube?
É lógico que indivíduos nessas condições de idade e de pouca saúde, mas que não os impedia de trabalhar, que percebem a pouca importância e o descaso com que são tratados, que sentem que todo o empenho que dedicaram ao clube não é considerado pelos insensíveis que se apossaram do poder, sofrem um “capitis diminutio” que lhes corrói a alma. Não é necessário ser um psicólogo para saber que essa atitude é um empurrão para o desatre.
Em contraposição, outros são contratados com salários nababescos que, conforme já disse, fazem inveja às empresas multinacionais.
Lamentável. Mas a lei do retorno é inexorável.
Paulo Cesar Studart

Solicitação de um torcedor ao Peter

Tive a oportunidade ler a solicitação de um torcedor tricolor ao presidente Peter Siemsen feita no facebook. E no intuito de colaborar com os anseios deste torcedor, reproduzimos aqui no Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” a sugestão do torcedor Fabio Costa e Silva. É importante observar que a sugestão feita por Fabio foi publicada no facebook às 15:00 hs de ontem, quarta-feira, dia 23 de maio. Ou seja, algumas horas antes da partida do Fluminense com o Boca Juniors.



Fabio Costa e Silva                                                                                         
23 de maio de 2012 15:00
Ok, Peter Siemsen, você quer fazer com que o Flu não seja um clube elitista. Você tem toda razão. Aproveite então este exato momento: a tarde inteira de hoje, antes do jogo contra o Boca Juniors e dê de presente paraa torcida o jogo contra o Figueirense. Que tal todos os setores do Engenhão a R$ 10.00 com meia a R$ 5,00? Este é um jogo que, se o Flu passar pelo Boca hoje, não haverá mais de 3 mil pagantes, e se o Flu ganhar, mesmo assim o público deverá ser pequeno pois a torcida vai tentar economizar para comprar o salgadíssimo ingresso para a semis da Liberta.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Victer - 'Personalidade do Ano'


O tricolor Wagner Victer receberá no próximo dia 22 o “Prêmio Personalidade do Ano” no Clube de Engenharia. O tricolor Wagner Victer atualmente é presidente da Cedae.   

O Blog "FLUTMESA" de Caxias do Sul (RS)

Recebi um comentário interessante no último dia 7 de maio aqui no Blog “CIDADÃO FLUMINENSE”. Como o comentário foi escrito no texto “FUTEBOL MESA TRICOLOR”, publicado no dia 23 de julho de 2009, resolvi compartilhar com nossos leitores a mensagem recebida.
O comentário é escrito por ALEXANDRE PREZZI. Ele divulga o seu Blog “FLUTMESA”. Alexandre Prezzi é jogador de Futebol de Mesa na Associação de Futebol de Mesa em Caxias do Sul (RS), Alexandre Prezzi é torcedor da S. E. R. Caxias e torcedor do FLUMINENSE (RJ). Alexandre Prezzi destaca que joga no futebol de mesa pelo FLUMINENSE (RJ) desde que começou no esporte, e será mantido para sempre!!!
Visitei o Blog "FLUTMESA" e achei bem interessante. Ele mistura notícias do Futebol de Mesa de Caxias do Sul com as notícias do Tricolor das Laranjeiras. E logo de cara no Blog aparece um escudo do Fluminense. Alexandre Prezzi é mais uma prova viva de que existe “TRICOLOR EM TODA TERRA”.
Leia o comentário de Alexandre Prezzi na íntegra: Ola... sou sócio da AFM Caxias – Associação de Futebol de Mesa de Caxias do Sul onde jogamos a regra brasileira 1 toque disco liso. Tenho a honra de jogar com o time do Fluminense e além de jogar ser torcedor desse clube. Por essa razão criei um blog para publicar algumas curiosidades e resultados dos meus jogos. Caso alguém queira visitar o endereço do blog é

O Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” parabeniza o “companheiro de luta e de glória” ALEXANDRE PREZZI por ser mais um entre nós e defender as cores do nosso “Tricolor das Laranjeiras”. E por divulgar o nosso amado Fluminense pelas terras do nosso querido  Rio Grande do Sul.
     

O Blog de David Pereira

Recebi um simpático comentário de David José Pereira divulgando o seu Blog pessoal. David Pereira nos envia o link de seu Blog para fazermos uma troca.
David Pereira é aluno de Comunicação Social. O Blog de David J. Pereira fala sobre sistema tático e análises desportivas. David Pereira analisa as partidas do futebol europeu em geral.
David Pereira é de Barreiro, em Portugal. Barreiro é uma cidade no Distrito de Setúbal, região de Lisboa, capital de Portugal. Barreiro tem uma população de aproximadamente 78.000 habitantes.
O Barreiro é uma cidade desportiva. Os maiores clubes da cidade são o Futebol Clube Barreirense e o Grupo Desportivo Fabril do Barreiro. O Barreirense é o clube de futebol português com o maior número de campeonatos conquistados na 2ª divisão (7 campeonatos). Barreiro tem boa infraestrutura para modalidades desportivas, como o Estádio Alfredo da Silva para 25.000 pessoas.
E ao visitar seu Blog, constatei uma interessante análise sobre a partida entre BOCA JUNIORS e FLUMINENSE realizada nesta quinta-feira, dia 17/05, no Estádio La Bombonera. David Pereira faz uma boa análise da partida e uma interessante observação sobre os atletas tricolores e o técnico Abel Braga que passaram pelo futebol português.
Conheçam e prestigiem o Blog de David Pereira:

terça-feira, 15 de maio de 2012

Peter fica nervosinho e 'perde a linha'

Tive um encontro com o presidente Peter Siemsen na quinta-feira, dia 10/05. Era por volta de 13:30 hs. Não posso afirmar que tenha sido um prazer encontrá-lo. Pois o presidente Peter Siemsen estava demasiadamente nervoso (pelo menos no início do nosso encontro), impossibilitando que nosso encontro tivesse um caráter plenamente amistoso.
Nos encontramos no salão que antecede o acesso ao salão nobre, em frente à porta de entrada da sala de troféus, onde se localizam as enormes placas de madeiras com os nomes de grandes personagens da história tricolor.  O presidente Peter Siemsen já tinha passado por mim, quando demonstrando certo nervosismo disse, “para que eu não me escondesse atrás de blog”. Prontamente, lhe respondi: “EU NÃO ME ESCONDO ATRÁS DE BLOG. EU FREQUENTO A SEDE DO FLUMINENSE, COISA QUE VOCÊ NÃO FAZ. PORTANTO, NÃO TENHO DE QUEM ME ESCONDER”. Estou presente em tudo que se relaciona ao Fluminense. Não me escondo atrás de Blog. E NÃO SOU EU QUE ME ESCONDO ATRÁS DE OUTRA PESSOA!!!
E realmente, esta acusação de “esconder-se atrás de Blog”, não me serve. Como era hora do almoço, talvez o Peter pudesse estar com fome, que possibilitaria falar tal delírio. Pois todos os textos publicados no Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” possuem a minha assinatura. Quando por ventura, publico algum texto, que não seja de minha autoria dou os devidos créditos ao autor. O presidente Peter Siemsen, talvez por causa de seu “DESEQUILÍBRIO EMOCIONAL” cometeu mais um de seus profundos equívocos. Não sou eu que me escondo atrás de Blog. Ele deve estar fazendo confusão com outro ‘BLOG CONHECIDO’ onde as pessoas que escrevem seus textos, não assinam os textos. Portanto, “NESTE ‘BLOG CONHECIDO’ SIM, AS PESSOAS SE ESCONDEM ATRÁS DO BLOG. EU NÃO!!!”
Nos momentos iniciais de nossa conversa, o presidente Peter Siemsen estava nervoso, falando um pouco alto. Talvez a minha presença tenha lhe deixado nervoso, mas não sei dizer corretamente sobre isso. Diante dos fatos, o Peter me deu o direito de falar no mesmo tom de voz que ele. E aí tive que lhe dizer energicamente: “VOCÊ ESTÁ NERVOSINHO PETER????? ESTÁ ‘PERDENDO A LINHA’ PETER????? QUE ISSO PETER????? VOCÊ É O PRESIDENTE DO FLUMINENSE!!!” Creio que tenha repetido estas frases duas ou três vezes para o presidente Peter. E o presidente Peter revelava todo o seu lado “MEDÍOCRE” e “INCOMPETENTE” para lidar com pressão. Talvez, se eu estivesse na mesma condição de “DESEQUILÍBRIO EMOCIONAL” que o presidente Peter, nosso encontro poderia tomar proporções incalculáveis. Mas alguém ali naquele momento tinha que dar o exemplo. Exemplo de possuir serenidade, maturidade e tranquilidade para articular idéias e saber se comportar civilizadamente diante de alguém que pensa diferente.
Possivelmente, o Peter deve ter lido ou tomou conhecimento de algo escrito no Blog “CIDADÃO FLUMINENSE’. Sem problemas! Faz parte do jogo democrático. Os textos do Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” são escritos e publicados exatamente para isso. Para serem lidos, refletidos e debatidos. Mas em “ALTO NÍVEL”. E não de forma “PATÉTICA” como tentou o “DESEQUILIBRADO” presidente Peter. Com isso, “O PETER DEMONSTROU SEU TOTAL DESEQUILÍBRIO EMOCIONAL”. Foi apenas mais uma prova de Peter Siemsen da sua “INCOMPETÊNCIA E DESPREPARO PARA O CARGO QUE OCUPA”.
Peter reclamava que sempre me tratava bem quando nos encontrávamos. E eu lhe disse que “A RECÍPROCA ERA VERDADEIRA”. Disse ao Peter que, ele deveria saber separar as coisas. Trato pessoal é uma coisa, questão política é outra completamente diferente. Peter deu a entender que nada fazia comigo, talvez fazendo alusão ao caso da minha suspensão na gestão anterior. Peter insinuou que eu poderia procurá-lo em sua sala. E eu lhe disse: “EU PROCURÁ-LO EM SUA SALA??? VOCÊ ESTÁ BRINCANDO, NÉ???" Disse ao Peter: “VOCÊ NÃO ESTÁ ACIMA DE NINGUÉM POR SER PRESIDENTE”. E ele meio que concordou. O Fluminense não é um quartel militar fundamentado em hierarquia. O Fluminense é um Clube. Então, eu lhe disse: “SE VOCÊ QUISER PODE ENTRAR NO BLOG E FAZER ALGUM COMENTÁRIO”. E ele disse que não faria isto. E eu disse: “MUITO MENOS EU IREI PROCURÁ-LO”. Se “A GESTÃO ATUAL NÃO TEM TRANSPARÊNCIA” – como cansou de prometer que teria – e não divulga os números publicamente, a culpa não é minha.
Peter mais uma vez cometeu o equívoco de me dizer para que eu colaborasse. E mais uma vez eu disse ao Peter que, ele não pode confundir colaborar com a Instituição Fluminense Football Club, com colaborar com a Diretoria. Disse ao Peter que colaboro com o Fluminense Football Club desde pequeno e continuarei colaborando a minha vida inteira. Agora, o Peter não pode confundir colaborar com a instituição, com colaborar com a Diretoria (seja ela qual for). E não sou sectário. Se em algum momento eu me sentir à vontade para colaborar com a gestão Peter Siemsen, poderei fazer isso tranquilamente. Mas com atitudes “PATÉTICAS” como esta do Peter ficará cada vez mais difícil. Engraçado, se eu não tenho representatividade alguma no Fluminense (como disse certa vez ‘a pessoa mais poderosa’ do staff do presidente) porque “O PETER FICOU NERVOSINHO E PERDEU A LINHA” comigo?????
Se o presidente do Fluminense “NÃO TEM MATURIDADE POLÍTICA” para compreender o que é o processo político democrático, a culpa não é minha. Peter reconheceu que tinha dificuldades para lidar com as questões políticas. Mas se o presidente do Fluminense “NÃO TEM CAPACIDADE” para compreender que seu cargo, é “UM CARGO POLÍTICO”, a culpa não é minha. Se ele “NÃO TEM CAPACIDADE” para absorver críticas democraticamente, é melhor que peça a “RENÚNCIA”. “SÓ ASSIM O PETER NÃO IRÁ SE ABORRECER”. E com atitudes deste tipo, o Peter só tornará cada vez mais a “CHAPA QUENTE”.
Em alguns momentos, o Peter ficou fazendo comparações com a gestão anterior. Uma piada! Eu não tenho nada a ver com a gestão anterior. Mas creio que “O PETER NÃO TEM MUITA MORAL PRA FALAR DA GESTÃO ANTERIOR”. Mas isso é apenas a “MINHA OPINIÃO”. Pois quem conhece ‘muito bem’ os bastidores da política tricolor – eu disse conhecer ‘muito bem’ os bastidores, e não o cara que escuta o galo cantar não sei aonde, e fica repetindo por aí – sabe muito bem que “O PETER PODERIA TER SIDO VICE-PRESIDENTE GERAL DO HORCADES”, em 2007, que era esta a intenção do Celso Barros. E isto já foi registrado aqui no Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” (no final de 2010). O famoso encontro em Brasília, que Celso Barros levou o Peter para encontrar-se com Roberto Horcades e alguns integrantes de seu grupo político. Digo grupo de Roberto Horcades, pois existem várias testemunhas deste encontro. Mas o pessoal da “DEMOCRACIA TRICOLOR” (que apoiava Roberto Horcades na época) não abria mão do José de Souza (que integrava e era apoiado pelo grupo) na Vice-Presidência Geral. E isso faltando cerca de trinta dias para as eleições de 2007. Caso Roberto Horcades aceitasse naquela ocasião Peter Siemsen como seu candidato a Vice-Presidente Geral, com toda certeza a história recente do Clube seria completamente diferente.
Diferentemente do presidente Peter, tive muita tranquilidade para dizer-lhe na sua cara: “VOCÊ É FRACO PETER!!! VOCÊ É MUITO FRACO!!!!!” E sem me alterar. Não preciso disso. Lógico, que deixei claro ao Peter que esta é a “MINHA OPINIÃO POLÍTICA” a respeito dele. Nada pessoal!! O Peter precisa aprender (e isso não dá pra comprar em Shopping) que para a atividade “POLÍTICA” é preciso “INTELIGÊNCIA”, “EQUILÍBRIO EMOCIONAL”, “ASTÚCIA”, “SAGACIDADE”, “PRUDÊNCIA” e mais algumas outras virtudes. Todas, que naquele momento, ele demonstrou não possuir.
Inevitavelmente, diversos assessores do Peter ‘apareceram do nada’ para presenciarem a discussão. Apareceram todos aqueles que recebem “MEGA SALÁRIOS”. Talvez estivessem preocupados com o “chefinho”. Afinal, é quem lhes permite receber seus “POLPUDOS SALÁRIOS” pagos por uma ‘instituição altamente deficitária e que vive no vermelho’. Desse jeito é muito fácil fazer o papel de ‘torcedor fanático’ do Fluminense. Talvez, eles estivessem preocupados com o Peter. Mas poderiam ficar tranquilos, sou um Professor, procuro saber me comportar e manter a tranquilidade (mesmo quando provocado). “JAMAIS DAREI MOTIVOS PARA O PETER ME PEDIR DESCULPAS”. Entenderam???
Possivelmente, a notícia deve ter circulado por telefones celulares. Mas hilário mesmo foi quando eu discutia com o Peter, e um cara parou ao nosso lado olhando para nós atentamente e de braços cruzados. Que figura! O cara ficou numa posição que lembrava mesmo um “SEGURANÇA”. Como eu nunca tinha visto o cara, falei ao Peter: “ACHO QUE O SEU AMIGO QUER FALAR COM VOCÊ”. E o Peter disse que o cara estava lhe esperando para almoçar. E eu disse ao Peter: “FALA COM O CARA”. Peter falou qualquer coisa e o cara saiu. Hilário! Ou será deprimente???
Eu e o Peter devemos ter conversado aproximadamente entre 30 minutos. Evidentemente, que nossa conversa não foi tensa o tempo inteiro. Apenas no início. Depois o Peter ficou falando sobre a dívida, fluxo de caixa, “heavy-users”, “stakeholders” e uma série de outras coisas para tentar me impressionar e fazer de conta de que ele entende de tudo isso.
Peter falou orgulhosamente que estava organizando a entrada nos estádios. E ‘ordenando as torcidas organizadas’. Peter neste momento foi perspicaz. Talvez quisesse dizer que tinha feito o “ENQUADRAMENTO DAS TORCIDAS ORGANIZADAS”. Mas isso é apenas a minha leitura.
Peter também falou sobre os 3.000 novos sócios. Neste momento, eu nem quis prolongar o assunto. Pois eu já sabia da ideia do projeto desde o ano passado, muito antes de ser lançado, quando um proeminente correligionário do presidente perguntou minha opinião a respeito. Na oportunidade, o proeminente correligionário do presidente, antes mesmo que eu falasse minha opinião, já foi logo dizendo: “’EU SEI QUE É ELEITOREIRO’, mas quero ouvir a sua opinião”. Na ocasião, pude dizer ao proeminente correligionário do presidente, que sendo “ELEITOREIRO” ou não, o fato é que a possibilidade de adesões seria enorme. E possivelmente, com este projeto, tornaria “O PETER REELEITO”. Entretanto, analisando a grandeza do Fluminense e o número de 3.000 adeptos, percebemos que alguma coisa não está em harmonia. Ou será que a nossa grandeza não está tão grande assim???
Depois o Peter falou sobre o bar temático que será construído (bem em frente onde estávamos). Falei pra ele que até concordava com a construção do bar, mas talvez ali não fosse o lugar ideal. E não falava isso por opinião própria, mas pelo que tenho ouvido dos sócios. O local do restaurante social era um centro de referência e de encontro de muitos sócios. E eu disse ao Peter que imaginava que a ocupação do espaço do restaurante social devia ser uma exigência da AMBEV, para que o bar temático ficasse próximo da nova sala de troféus, que está sendo financiado pela empresa de bebidas. E para minha surpresa, o Peter me disse que não era uma exigência da AMBEV. Muito pelo contrário, teria sido o próprio Peter – segundo suas próprias palavras – que sugeriu para a AMBEV que o local do bar temático fosse ali onde se encontrava o antigo restaurante social.
E aí, eu disse ao Peter, como exemplo, o caso de nossas admiráveis senhoras. O Fluminense em seu quadro de associados possui várias senhoras que diariamente encontravam-se no restaurante social. São senhoras maravilhosas, que muito dignificam o nosso Clube e fazem com que ele verdadeiramente tenha um aspecto familiar. Pois, estas senhoras são como se fossem nossas mães, nossas tias ou nossas avós. Elas almoçavam, tomavam chá, comemoravam seus aniversários, faziam seus encontros, suas brincadeiras e muito mais coisas Ou seja, elas dão vida ao nosso Clube, mantêm-se ativas e rejuvenescidas em seu ambiente. Algumas destas senhoras estão na faixa dos 70, 80 e até 90 anos. As que possuem menos tempo de clube, geralmente são associadas do Fluminense por volta de trinta anos no mínimo. E tiveram a honra e o prazer de viver tempos bem mais glamorosos do Fluminense que os atuais. Entretanto, com a destruição do restaurante social, elas, como muitos outros sócios, perderão o seu ponto de encontro e de referência.
Naturalmente, o Peter disse que entendia o caso das senhoras associadas do Fluminense, mas que não poderia fazer nada. Pois, ele pretendia almejar o público torcedor, para que se associasse ao Clube. E gostaria de oferecer um serviço que fosse atrativo para esse público. E concordo com isso. Mas apenas eu dizia que as senhoras do nosso Clube já eram associadas do Fluminense – e provavelmente muitas entre as suas eleitoras. E fiz a colocação, por elas serem senhoras, algumas com idade avançada. E ali era o local mais próximo da entrada do Clube, onde elas podiam se encontrar facilitando a sua locomoção. Mas o Peter disse que não é possível agradar a todos. O que concordo. É como os textos que escrevo, não é possível agradar a todos. Posteriormente fiquei pensando, por qual motivo o presidente do “NOVO FLUMINENSE” se importaria com algumas senhoras que possuem trinta, quarenta ou cinquenta anos de Clube???
Depois, apareceu um amigo nosso em comum, que participou da conversa sem problemas. E nos despedimos fraternalmente. Um pouco diferente do início de nossa conversa. Mas o que ficou na minha mente refletindo é o que poderia ter acontecido inicialmente caso eu estivesse no mesmo “DESEQUILÍBRIO EMOCIONAL” do Peter. E isso tudo, com o Fluminense na final do Campeonato Carioca tendo vencido o primeiro jogo do Botafogo por 4 x 1 (que o Fluminense acabou vencendo com nova vitória de 1 x 0). E no dia da partida com o Internacional, onde poderíamos ficar entre os oito melhores times de futebol da América do Sul (o que acabou se concretizando). Aí, fiquei pensando, o que o Peter fará, se ele passar pela experiência de ter o time de futebol do Fluminense lutando contra o rebaixamento para a Segunda Divisão??? E SE O PETER PASSAR POR UM PROCESSO DE IMPEACHMENT?????


Peter Siemsen já fala abertamente em 'pedir demissão'

Na última sexta-feira, dia 11/05, ocorreu uma reunião do presidente Peter Siemsen com alguns diretores do Fluminense. Demonstrando tensão, o presidente Peter Siemsen, para surpresa de alguns disparou: “É SÓ PROBLEMA. EU TENHO QUE PEDIR DEMISSÃO MESMO”.
E para não conversar com um dos dirigentes, Peter falou: “Tenho que ir embora. Vou perder a minha carona”. E fazia 15 dias que o diretor tentava falar com o Peter e não conseguia.
Peter Siemsen começa a dar provas de que não suporta pressão. E o pior, de que não estava preparado para assumir o cargo que ocupa.

Peter Siemsen deixa Oswaldo de Oliveira na fila do caixa

Na semana que antecedeu a primeira partida da final entre Fluminense e Botafogo, a imprensa entrevistou o ex-técnico tricolor e atual treinador botafoguense, Oswaldo de Oliveira. O atual treinador do Botafogo trabalhou no Fluminense e ainda não recebeu um centavo que o clube tricolor lhe deve.

Oswaldo de Oliveira relembrou os calotes, e desabafou: "Até hoje não me pagaram". Oswaldo de Oliveira não esconde a mágoa dos dirigentes do Fluminense. Nas duas passagens por Laranjeiras, acabou levando calote. Em 2002, referendado pelo então Vice-Presidente Jurídico tricolor, o atual presidente Peter Siemsen, o clube tentou enquadrá-lo numa justa causa por abandono de emprego.

Oswaldo de Oliveira considerou a atitude de Peter Siemsen, uma atitude muito feia. Mas fez questão de dizer que o Fluminense é admirável apesar de alguns dirigentes. Oswaldo acionou o Fluminense na Justiça por causa de Peter Siemsen, em 2002, ganhou, mas continua na fila do caixa. E ainda existe outra dívida com o Oswaldo que o Flu ainda não pagou. Peter paga o Oswaldo! 

A contraditória personalidade de Peter Siemsen

O conselheiro Paulo Cesar Ferreira Soares, o “PC”, foi se queixar ao presidente Peter de ter sido barrado numa reunião feita com algumas lideranças políticas do Fluminense. O conselheiro PC foi barrado na reunião pelo "PRESIDENTE DE FATO" do Fluminense, o srº Jackson Vasconcelos. A referida reunião aconteceu poucos dias antes da reunião do Conselho Deliberativo para aprovação de contas de 2011. PC queria se informar sobre os acontecimentos, pois queria fazer um documento sobre o assunto. PC queria fazer um documento justo sobre os fatos.
E quando o PC foi se queixar ao Peter, o "PRESIDENTE DE DIREITO" do Fluminense, disse: “Essa você vai me pagar caro”. E o Peter teria lhe respondido: “Pode me cobrar caro, barato, como você achar melhor. Não estou preocupado com o que você pensa ou acha”. Peter Siemsen deu as costas e foi para a tal reunião com as lideranças.
Quarenta e oito horas depois, chegou a reunião do Conselho Deliberativo para votar ou não a aprovação de contas de 2011. Peter Siemsen chegou ao Fluminense e pediu ao José Mohamedentão, Vice-Presidente Administrativopara que intercedesse junto aos conselheiros, Rogério Do Val e Paulo Cesar Ferreira Soares, o PC, para que “pegassem leve” nos discursos. Como se isso fosse suficiente para persuadir os conselheiros no tom crítico de seus discursos.
Primeiro, Peter Siemsen esculhamba o conselheiro. E depois, tem a cara de pau de pedir para "pegar leve" no discurso. Isso é que é personalidade! O resto é adolescência.  


sábado, 12 de maio de 2012

"RATAZANA TRICOLOR"

É, pelo visto, os “RATOS” estão definitivamente instalados no nosso Fluminense e não querem sair de jeito nenhum. E agora os "RATOS" contam com a companhia de uma “RATAZANA”. É o que diz a nota que saiu hoje, sábado, dia 12/05, no jornal O Globo. A nota é da coluna “PANORAMA ESPORTIVO”. A nota é intitulada “DE NOVO”. Veja abaixo a nota na íntegra:

A semana foi sensacional para o futebol do Fluminense, mas o mesmo não se pode dizer dos associados. Quarta-feira, uma aula de natação no parque aquático do clube contou com a presença de uma enorme ratazana, que deixou as alunas em pânico. Detalhe: as escolinhas sofreram reajuste de 36% em abril.

 O reajuste será que está relacionado com pagar “POLPUDOS SALÁRIOS DE MARAJÁS” ou “MAMATAS IMPONENTES” de viagens gratuitas ao exterior em jogos da Libertadores??? Não sei. Só sei que "O SALÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS ESTÁ ATRASADO". Mas, os amigos do presidente (???) merecem todo conforto. E 2013 já está batendo na porta!!! Enquanto isso, os associados do Clube ficam com as “RATAZANAS”.

sexta-feira, 11 de maio de 2012

ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS - "93 ANOS"

        "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS" antes de 21/12/1961


O “ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS” neste dia 11 de maio de 2012, completa “93 ANOS”. E o Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” jamais deixará está data passar em branco. Entretanto, para contribuirmos e incentivarmos a “CULTURA DA PRESERVAÇÃO DO ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS” abordaremos uma das datas mais tristes dos 110 anos do Fluminense. Ou seja, a data da demolição parcial de nosso estádio. Pois o Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” acredita que para existir ‘CIDADANIA’ em nossa sociedade é preciso ter “EDUCAÇÃO”, “INFORMAÇÃO” e “REFLEXÃO”.
A demolição parcial de nosso estádio iniciou-se no dia 21 de dezembro de 1961. E no dia 21 de dezembro de 2011, o Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” organizou uma “manifestação pacífica e cidadã” para lembrar os “50 ANOS DA DEMOLIÇÃO PARCIAL DO ESTÁDIO LARANJEIRAS”. Afinal de contas, ‘NÃO BASTA EMOÇÃO, TEM QUE ROLAR AÇÃO”.




O presidente Jorge Frias de Paula recebendo o cheque de Lopo Coelho



Iniciamos a manifestação às 8h30m, momento exato que se iniciou a demolição em 1961. Reunimos alguns tricolores para realizar a manifestação, que na verdade se tornou uma grande aula pública sobre a história de nosso estádio. Todos os transeuntes ficaram muito satisfeitos com o grande número de informações que obtiveram sobre o “ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS” e sobre o bairro também. Os transeuntes, majoritariamente moradores de Laranjeiras, parabenizaram os tricolores participantes do ‘Ato de Cidadania’. Várias pessoas dentro dos ônibus solicitavam o nosso jornal. Alguns taxistas também paravam seus carros para pedir o jornal. Dentre os participantes, estava “RUBENS GALAXE”. O nosso querido “RUBENS GALAXE” é o 6º jogador de futebol que mais vestiu a linda camisa tricolor em 110 anos. Durante o Ato, distribuímos 2.000 exemplares de um jornal tablóide contendo parte da história da demolição. E contendo também, 10 (dez) importantes depoimentos de pessoas que amam o nosso estádio. Agora, abaixo, leia um pouco dos textos que se encontram no jornal:



                              O início da demolição - 21/12/1961



Às 8h30m do dia 21 de dezembro de 1961, operários iniciavam o trabalho de demolição do Estádio das Laranjeiras na sua parte fronteira à Rua Pinheiro Machado, que obstruía o alargamento do conjunto de vias que ligariam o Catumbi a Laranjeiras. O Blog “CIDADÃO FLUMINENSE” jamais poderia deixar passar em branco uma das datas mais significativas da História do Fluminense Football Club, até porque nosso lema é: NÃO BASTA EMOÇÃO, TEM QUE ROLAR AÇÃO.
Após mais de dois anos de entendimentos iniciados com a Prefeitura do antigo Distrito Federal e, posteriormente com o Governo do estado da Guanabara, o Fluminense foi desapropriado em uma faixa de seu terreno situada na Rua Pinheiro Machado, medindo aproximadamente 96,40 metros na linha da fachada do nosso Estádio das Laranjeiras com uma profundidade média de 11,27 metros. A desapropriação avançou pelo terreno do Clube, no alinhamento divisório com o Palácio Guanabara, 13,18 metros e, junto aos prédios da esquina da Rua Álvaro Chaves com a Pinheiro Machado, avançou 8,90 metros. A linha dos fundos fechando a área do polígono do terreno desapropriado media aproximadamente 78,10 metros. A área total desapropriada atingiu 1.084,95 m2, justamente onde estavam construídas as arquibancadas, formando a curva do placar do lado da Pinheiro Machado.


          "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS" após 21/12/1961



Durante a cerimônia do ato inicial da demolição, registrou-se a presença do Governador Interino do Estado da Guanabara, Deputado Lopo Coelho (substituindo o Governador Carlos Lacerda), junto com diversos Secretários de Estado, ordenando a execução da demolição. Lopo Coelho era presidente da Assembleia Legislativa e membro do Conselho Deliberativo do Fluminense.
A cerimônia foi realizada na esquina da Rua Álvaro Chaves com Pinheiro Machado. A diretoria do clube esteve presente. Logo após a entrega do cheque a SURSAN iniciou a demolição parcial do Estádio das Laranjeiras.


Eduardo Coelho conversando com um transeunte na Pinheiro Machado - 21/12/2011


O FLUMINENSE VENCEU!
No dia da demolição parcial do Estádio das Laranjeiras, o Fluminense jogou à noite pelo campeonato carioca. E venceu o Bangu por 1 a 0, no Maracanã, com gol de Escurinho, aos dezessete minutos do segundo tempo.
FLUMINENSE: Castilho; Jair Marinho, Pinheiro, Clóvis e Paulo; Edmilson e Paulinho; Calazans, Jaburu, Humberto e Escurinho.
BANGU: Ubirajara; Joel, Claudionor, Zózimo e Nilton Santos; Elcio e Valter; Correia, Bianchini, Décio Estêves e Beto.
JUIZ: José Teixeira de Carvalho



                                     
                                    
     Leonardo Carvalho e Ricardo Exner observam os cartazes



OS NÚMEROS DA TRANSAÇÃO
Pela perda do terreno, que compreendia também uma parte das suas arquibancadas, as antigas bilheterias populares e dois portões de entrada, o Fluminense recebeu uma indenização do Governo da Guanabara. Coube ao presidente Jorge Frias de Paula receber das mãos do Governador o cheque de Cr$ 81.058.000,00, dos quais separavam-se Cr$ 31.355.000,00, que correspondiam às áreas remanescentes dos terrenos das Ruas Álvaro Chaves e Pinheiro Machado. A desapropriação gerou Cr$ 49.703.000,00.

                                      
Leonardo Carvalho orienta um transeunte e Ricardo Exner observa



A IMPORTÂNCIA ÍMPAR DO ESTÁDIO
No Estádio das Laranjeiras foi realizado o 1º jogo de futebol da Seleção Brasileira, em 21 de julho de 1914.
O Brasil conquistou o seu primeiro título importante no futebol, o Sul-Americano de 1919, quando pela primeira vez o país parava para celebrar uma conquista no futebol.




        Eduardo Coelho aproxima-se de um transeunte



NÃO MAIS SERÁ SACRIFICADO O CAMPO DO FLUMINENSE
A manchete acima fazia parte do Boletim de Informações do Fluminense de 1º de outubro de 1950, que noticiava que a diretoria tricolor, esteve no Palácio Guanabara, à tarde de 22 de setembro, para agradecer ao prefeito do Distrito Federal, General Angelo Mendes de Morais, sua decisão de aprovar um novo plano de remodelação da rua Pinheiro Machado, pelo qual as arquibancadas e entradas pela mesma rua ficariam livres de demolição, fora do novo traçado.
Muito preocupava o quadro social do Fluminense a ideia de saber que, sendo abertura do túnel Catumbi-Laranjeiras, e o consequente alargamento da rua Pinheiro Machado, o novo escoamento para a zonal sul, o Estádio das Laranjeiras seria fatalmente sacrificado.
Com acerto e presteza, em defesa do patrimônio tricolor, o presidente Fábio Carneiro de Mendonça teve a felicidade de ver terminada aquela preocupação, o que constituiu motivo de contentamento. Isso em 1950.





            Transeuntes observam os cartazes da manifestação



O FLU DE 1961
VIAJE CONOSCO PELAS MANCHETES DE 50 ANOS ATRÁS
Em 1961, o Fluminense dependia economicamente dos seus associados. Eram 7.446 contribuintes. Incluindo-se sócios proprietários e as demais classes, o total de associados era de 25.000. O Departamento Social contribuía com a receita em 65%, estando em primeiro plano a sua arrecadação face à expansão que o quadro social vinha registrando. Em vista dessa grande contribuição, o clube não cobrava dos seus associados pelo seu acesso aos salões e dependências da Álvaro Chaves por ocasião de festas. O programa recreativo, em 1961, seguia uma rotina que abrangia a tradicional festa de aniversário, os festejos carnavalescos, festas de debutantes, apresentações de artistas de renome internacional, boates-shows, disco dançante aos domingos, festas infantis, cinema, festas de arte, etc. Depois da construção das piscinas, o Clube tinha uma afluência de cerca de dois mil sócios aos domingos.
Em 1961, o Fluminense vivia os tempos do Plano de Expansão, obras que visavam aparelhar o Clube para o futuro. Obras como: o Parque Aquático, um dos mais modernos e bonitos da América do Sul; Ar-condicionado no Salão Nobre; Sub-estação de energia elétrica; Água refrigerada na piscina da Sauna; Construção do Bar da Piscina (atual Bar do Tênis). Um fator negativo de 1961 foi a venda dos passes dos jogadores de futebol Maurinho e Waldo. O centroavante Waldo é até hoje o maior goleador da História do Fluminense com 314 gols.




    Leonardo Carvalho, Ricardo Exner e Eduardo Coelho



FLU TERÁ CINEMA E MURO PARA COMPENSAR MUTILAÇÃO DO ESTÁDIO
A manchete acima era do Jornal dos Sports do dia 23 de dezembro de 1961. Para disfarçar a mutilação de seu estádio, o Fluminense planejava construir um muro, que desse condição de realizar jogos pelo campeonato carioca.
Para explicar o que aconteceu o presidente Jorge Frias de Paula teceu considerações na manhã de 22 de dezembro daquele ano.
JORGE FRIAS DE PAULA: “Há um projeto urbanístico e houve a desapropriação da faixa do terreno. Por isso, o Fluminense concordou com a demolição. Quinta-feira no ato de entrega, o recebimento do cheque de cinquenta milhões de cruzeiros, eu disse ao deputado Lopo Coelho, Governador em exercício da Guanabara, que o Fluminense sentia tristeza por ver a mutilação do seu patrimônio, mas, ao mesmo tempo estava feliz por contribuir para o progresso da cidade”.
JORGE FRIAS DE PAULA: “O que eu disse ao Governador em exercício foi, em síntese, o seguinte: o Fluminense via, com grande tristeza, desaparecer grande parte do seu patrimônio sua principal tradição, que é o football. Mas se por um lado estávamos tristes com a mutilação sofrida, por outro, orgulhamo-nos porque o Fluminense está contribuindo em benefício da população carioca”.
O presidente tricolor rememorou tempos idos, para dar mais força as suas palavras: “Em 1918, quando este estádio foi construído, para o Sul-Americano, e em 1922, por ocasião dos Jogos Olímpicos Latino-Americanos, o Fluminense arcou prazerosamente com todas as despesas. Já então, sentia orgulho por estar fazendo algo pelo povo carioca. Isso é uma tradição. E essa tradição revive agora. Nem a tristeza de ver o estádio parcialmente destruído é suficiente para suplantar esse orgulho”.
E que fará o Fluminense para recuperar o que perdeu? JORGE FRIAS DE PAULA contava: “Na área desmembrada, evidentemente, é impossível fazer qualquer coisa. Entretanto, pensamos recompor o que ficar. O pensamento inicial é fazermos um muro, na parte fronteira à Rua Pinheiro Machado; onde se procede a demolição. Por outro lado, e aproveitando parte do cinqüenta milhões recebidos, temos um projeto para a construção de um cine-teatro, que ficará na esquina das Ruas Álvaro Chaves e Pinheiro Machado. Agora, entretanto, e face do alinhamento definitivo dessas duas áreas teremos que estender de novo o projeto, pois serão necessárias modificações”.
O muro está lá. Já o cinema...




      Transeuntes observam os cartazes da manifestação



DEPOIMENTOS
O QUE O ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS REPRESENTA PARA VOCÊ?
ROBERTO SANDER – JORNALISTA E ESCRITOR: “O Estádio das Laranjeiras é o símbolo do nascimento do futebol brasileiro. Foi o palco não só das primeiras conquistas do Fluminense, o clube mais tradicional do país, como também da própria seleção brasileira. Portanto, é motivo de orgulho não só para os tricolores, mas também para todos aqueles que valorizam a memória do futebol. É um verdadeiro monumento da história da cidade do Rio de Janeiro”.



           Transeuntes observam os cartazes da manifestação



LUIZ ANTONIO BARBOSA DE CASTRO – BENEMÉRITO DO FLUMINENSE FOOTBALL CLUB: “Vi muitos jogos no campo do Fluminense. Não me lembro do tempo em que foi o mais importante do estado porque foi antes da minha época. Mas vi muita fotografia dos tempos iniciais do nosso estádio, com as pessoas todas embecadas, como diz minha neta. Tenho orgulho disso. Também assisti a muitas partidas ali, vendo Orlando, o Pingo de Ouro, Castilho, Píndaro e Pinheiro, o Telê, Leo, Waldo, Robson e Escurinho, e tantos outros. Quando desfiguraram o campo para alargar a rua foi como perder a parte mais importante da referência de minha juventude. Como era bom assistir partidas de futebol no campo das Laranjeiras! Sou do tempo em que o estádio não havia sido destruído para dar passagem ao progresso, matando um passado histórico. Era confortável e charmoso. Nunca foi comprovada sua capacidade total. Para alguns historiadores era de 18.000 pessoas, para outros 25.000. Entretanto, quando lotado, parecia que era muito mais. Custei a me acostumar a vê-lo sem um pedaço. Mas continuei indo ver os jogos que eram ali programados, sempre com prazer, embora envolvido em certo sentimento de perda. Tivemos partidas memoráveis até o final da década de 1990. Hoje, vejo alguns treinos e sinto saudades daqueles tempos”.




        Eduardo Coelho orienta um transeunte sobre o estádio


SYLVIO KELLY DOS SANTOS – EX-PRESIDENTE DO FLUMINENSE FOOTBALL CLUB (1981-1984): “Comecei a frequentar o Fluminense no início de 1945, época em que o nosso clube era o melhor do Brasil. Acompanhei, desde então, a trajetória do nosso estádio. Em 1946, assisti diversos jogos do super-campeonato, vencido pelo Fluminense. Em 1948, assisti o Campeonato Sul-Americano de Atletismo. Assisti, com pesar, a demolição de parte das arquibancadas, para possibilitar o alargamento da Rua Pinheiro Machado. Assisti e participei de diversos desfiles da ‘Olimpíada Tricolor’, festa do esporte olímpico do nosso clube. Lembro, com saudades, de diversos nomes que fizeram a grandeza do Fluminense, e perpetuaram o nosso legado de ‘clube tantas vezes campeão’. Marcos Carneiro de Mendonça, João Coelho Neto (Preguinho), Arnaldo Guinle, Jorge Frias de Paula, João Havelange e tantos outros da mesma estirpe”.




         "BAIANA" - Símbolo Popular da Torcida Tricolor 




FRANCISCO HORTA – EX-PRESIDENTE DO FLUMINENSE FOOTBALL CLUB: “Fui admitido como sócio em 24 de maio de 1945. Tenho a carteirinha que comprova até hoje. Eu vi o Estádio das Laranjeiras efervescente. Era fechado, muito bem tratado e bonito. Na social a gente botava a carteirinha e ninguém sentava. Vi no estádio grandes goleiros, como Batatais, Castilho. Depois veio o Félix. Vi o time projetado por Zezé Moreira em 1951. Zezé Moreira de terno e gravata, que elegância. Eu vi o maior Diretor do Fluminense, José de Almeida, com todos os dados técnicos das equipes. Eu vi diante do Estádio das Laranjeiras – que jamais deve ser derrubado – seleções brasileiras. O Estádio das Laranjeiras era o Maracanã do Rio de Janeiro. Ali nasceu o futebol brasileiro para o exterior. E lá jogaram os grandes ídolos do passado. Do lado esquerdo da Tribuna de Honra, ficavam os surdos e mudos, cerca de cem alunos eram convidados pelo Fluminense. Os cavalos da polícia ficavam na parte de baixo. Aquilo para os surdos e mudos era uma dádiva, pois eles assistiam aos grandes jogos. Eu me lembro de batalhas fantásticas em nosso estádio. Ali no Estádio das Laranjeiras tivemos grandes momentos na vida de nosso Clube. Tivemos grandes momentos históricos.




      Foto do "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS"



ANGELAMARIA ROSA LACHTERMACHER – GRANDE BENEMÉRITA ATLETA DO FLUMINENSE FOOTBALL CLUB: “Eu tive o privilégio e a honra de treinar arco e flecha no campo do Fluminense. Vivenciei e pesquisei vários eventos em que o campo do Fluminense serviu de alegria e palco para a humanidade. Relembrando Paulo Coelho Neto: Nas horas de incerteza e sofrimento, a verdadeira e indestrutível muralha  de apoio é sem dúvida o respeito e amor à tradição. Como acabar com o campo do Fluminense se ele está para o mundo como os grandes atletas estão para as Olimpíadas?”






Foto do "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS" e a entrada antiga da Rua Pinheiro Machado



DELEY – EX-JOGADOR DE FUTEBOL DO FLUMINENSE (ENTRE 1980 E 1987) E DEPUTADO FEDERAL: “Na verdade todas as vezes que estou nas Laranjeiras, me vem a lembrança do quanto eu vivi momentos agradáveis. É como estar num templo carregado de mistérios por onde passaram talentos maravilhosos. Com certeza as Laranjeiras carrega toda a sua magia e seu encanto. É parte importante do Brasil. Não é a toa que temos o Cristo Redentor de frente para nossa casa”.




   Foto do presidente Fábio Carneiro de Mendonça agradecendo o prefeito



JAIR MARINHO – EX-JOGADOR DE FUTEBOL DO FLUMINENSE (ENTRE 1959 E 1963) E CAMPEÃO DA COPA DO MUNDO DE 1962, NO CHILE: “O Estádio das Laranjeiras é um monumento. E não é só importante para o Fluminense. É importante para a comunidade de Laranjeiras, para a cidade do Rio de Janeiro e para o Brasil. Ali foram realizadas partidas que deram muitas alegrias ao Brasil. Ali surgiram craques como Castilho, Waldo, Altair, Telê, Escurinho, Pinheiro e tantos outros. O Estádio das Laranjeiras deve ser preservado! Não pode ser vendido e nem mexido”.




         Transeuntes observam os cartazes da manifestação




LEANDRO CARVALHO (CAMPINHO) - PROFESSOR DE HISTÓRIA E LÍDER DA TORCIDA ORGANIZADA YOUNG-FLU: “As lembranças que guardo do estádio vêm de encontro com a minha história com o nosso amado Fluminense Football Club. Facilmente faço uma viagem aos meus tempos de criança, onde todos finais de semana estava no Clube sob o comando do mestre Armando Giesta para preparar a festa da mais bonita torcida do Brasil. A perda de parte do estádio não acompanhou a demanda de sua imensa torcida, fazendo com que perdêssemos parte de nosso lar e da nossa história. As Laranjeiras, a nossa casa, que sempre foi tão receptiva e aconchegante conosco, hoje nos deixa saudades de seu estádio e dos momentos lá vividos”.





       Faixa: "AQUI NASCEU O FUTEBOL DO BRASIL"
                          


MARIA DA GLÓRIA DE SOUZA – PRESIDENTE DA AMAL (ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DE LARANJEIRAS): “O Estádio das Laranjeiras é um referencial do esporte no bairro. É importantíssimo! Tem uma importância para a memória e história do bairro. A ideia de preparar o clube para receber a visita de turistas é excelente. E como teremos a Copa do Mundo e as Olimpíadas, é importante gerar trabalho e renda para as pessoas jovens contarem a história do clube e do bairro. Para a Amal o Fluminense sempre foi um parceiro. Pra gente é super importante! E a gente está afim de apoiar”.




   Eduardo Coelho, Rubens Galaxe e Ricardo Exner
                                    


RUBENS GALAXE – EX-JOGADOR DE FUTEBOL DO FLUMINENSE (ENTRE 1971 E 1982) É O 6º ATLETA QUE MAIS VESTIU A CAMISA TRICOLOR: “O Fluminense não só está na minha iniciação no esporte, mas também participou e ajudou na minha formação como cidadão. Para quem chegava aos quinze anos de idade, entrar naquele estádio com toda sua história e tradição, palco de momentos inesquecíveis para o esporte nacional, local que grandes craques pisaram e de tricolores ilustres que contribuíram para sua grandiosidade, tem que realmente referenciá-lo e não esquecê-lo jamais! A História é contada pelos vitoriosos. Então podemos afirmar que assim deve seguir para as gerações de futuros tricolores, que o Fluminense Football Club é um vitorioso na vida esportiva. E seu estádio é a mais pura e verdadeira história que não podemos deixar passar despercebido”.



"BAIANA" - Símbolo Popular da Torcida Tricolor

"BAIANA" - símbolo popular da torcida tricolor no dia 21/12/1961


No dia do aniversário dos "93 ANOS" do "ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS" falaremos de uma grande mulher que participou da História do Fluminense em seus 110 anos. Pois como todos sabem o Fluminense Football Club foi fundado em 21 de julho de 1902. Ela é a "BAIANA".

Não havia quem assistisse a jogos do Fluminense perto da torcida tricolor que não conhecesse uma negra, simples, de aparência humilde, muito ativa. Ela era Maria Cecília Joaquina da Silva, tinha 43 anos em 1961, nascida em Cabo Frio e residia em São João de Meriti e era conhecida pelo apelido de “BAIANA”. Acompanhava todos os jogos do Fluminense. É o que se chamava de torcedora “doente”, que chorava, sofria, esbravejava, com as derrotas. E gritava, pulava, dançava, cantava com as vitórias tricolores. “BAIANA” era mulher do povo, vendedora ambulante do Largo da Carioca, daí o apelido de “BAIANA”.

Na decisão final do Campeonato Carioca de 1957, o placar de 6 a 2 levou-a ao hospital, acometida de depressão nervo-cardíaca, quando foi confortada por vários integrantes da torcida popular do Fluminense, especialmente, “Paulista”, “Bolinha”, “Lapa”, “Dorvalino dos Charutos” e outros, que se cotizaram para seu tratamento – na ocasião, “BAIANA” perdera o emprego modesto que tinha.
Naquela manhã de 21 de dezembro 1961, data do início da demolição parcial do Estádio das Laranjeiras, “BAIANA” veio de longe: veio de São João de Meriti para testemunhar e chorar por aquele fatídico momento histórico. “BAIANA” pelo seu amor às cores do Fluminense, assistiu ao ato do início da derrubada, presidido pelo Governador em exercício da Guanabara, Drº Lopo Coelho. “BAIANA” comoveu-se até às lágrimas, como todos os que presenciaram aquele ato, imposto pelo “defensores do progresso”.
“BAIANA” torcia pelo Fluminense desde os quatro anos de idade. Seu irmão mais velho mostrou-lhe a combinação das cores: “vermelho e preto” e “verde, vermelho e branco”. E pediu para ela dizer qual das duas, mais gostava. E ela apontou o “verde, vermelho e branco”. “BAIANA”, você é mais um símbolo popular da torcida tricolor.