terça-feira, 25 de outubro de 2011

O "GÊNIO DA LÂMPADA"

O Fluminense usou o tal do efeito suspensivo para liberar o treinador Abel. Querer o treinador na beira do campo não resolve e não serve pra nada. O Abel não entra em campo e não faz gol.

O assunto do efeito suspensivo ainda rende entre os tricolores. Alguns acreditam que o artifício jurídico deveria ser usado para o atleta Rafael Moura, o He-Man, um de nossos artilheiros. E não para o Abel, treinador. Para muitos tricolores, o objetivo é que o Rafael Moura jogasse contra o Atlético Mineiro, no último sábado, quando o Fluminense teve uma atuação pavorosa. E saiu de campo vaiado e derrotado por 2 a 0. Um jogo, dentro de casa, e de fundamental importância para as pretensões tricolores na luta pelo título nacional.

Para não entrar com efeito suspensivo para liberar o He-Man, o Fluminense alegava que a suspensão do atleta poderia aumentar. Mas para o restante do campeonato o Fluminense terá o retorno de Fred. Na rodada do próximo sábado, que ficarão faltando sete jogos para o fim do campeonato, Rafael Moura ainda continua de fora. Quando ele estiver liberado faltarão seis rodadas. Dependendo dos resultados, o Fluminense poderá se encontrar praticamente fora da disputa do título.

Daí a importância de se lutar para colocar o He-Man contra o Galo Mineiro. Mas o que fez a Diretoria do Flu??? Jogou na retranca como “time pequeno” e não entrou com efeito suspensivo tentando liberar o He-Man.

No meio da defesa do Atlético Mineiro, com sua zaga formada por jogadores bem altos, o He-Man seria fundamental. Mas não, ficamos com os nossos nanicos lá na frente. Fácil tarefa para a zaga do Galo anular as investidas tricolores.

Enquanto isso, o Flamengo foi mais ousado, entrou com efeito suspensivo para liberar o Renato Abreu que enfrentou o Santos, no último domingo. O He-Man foi condenado no mesmo julgamento, mas não teve solicitação de efeito suspensivo para o seu caso. Aí fica difícil ganhar.

Existe um ditado popular que diz: “Quem não morre não vê Deus”. Pois é, o Flamengo incorporou o ditado e teve o seu jogador liberado. Já o Fluminense, teve medo de ver a suspensão do Rafael Moura aumentada e perdeu o jogo com uma atuação medíocre. Sábado contra o Galo, a presença do Rafael Moura era fundamental.

O treinador Cuca do Atlético Mineiro, disse ao final da partida que a ausência de Fred e He-Man fizeram a diferença. O Fred estava totalmente impossibilitado de jogar. Mas o He-Man, caso o Fluminense tivesse entrado com efeito suspensivo e conseguido sucesso, seria um jogador fundamental para as nossas pretensões.

Portanto, fica aqui a seguinte pergunta... Quem teria decidido não pedir o efeito suspensivo para o Rafael Moura??? Será que foi o Vice-Presidente Jurídico, Carlos Eduardo Cardoso??? Será que foi o Vice-Presidente de Futebol, Sandro Pinheiro Lima??? Será que foi o presidente Peter Siemsen??? Ou será que foi algum “GÊNIO DA LÂMPADA”???

2 comentários:

  1. FABRICIO MATURANA@ GMAIL.COM25 de outubro de 2011 23:55

    SAUDAÇÕES TRICOLORES!
    NA MINHA OPINIÃO O CLUBE ERROU,
    EM NÃO PEDIR O EFEITO SUSPENSIVO
    PRO HE MAN. PERDEMOS UM JOGADOR
    IMPORTANTE! GOSTARIA DE TE FELICITAR,
    PELO ARTIGO SOBRE O GRINGO DOVAL
    GOSTEI DEMAIS! ABRAÇOS!

    ResponderExcluir
  2. Sera o genio da lampada um dito "renomado" advogado que ja foi gerente de futebol que recentemente tomou uma senhora trolha numa açao juridica contra um bloqueiro tricolor?
    Raphael Simões

    ResponderExcluir

OBRIGADO PELO COMENTÁRIO! SE QUISER PARTICIPAR DE NOSSOS EVENTOS, SORTEIOS E BOLETINS, BASTA ENVIAR UM EMAIL PARA A CONTA CIDADAOFLU@GMAIL.COM